As principais bolsas da Europa fecharam em alta na sexta-feira (29), em meio a divulgação da estimativa prévia da inflação de abril da zona do euro, que ficou em 7,5%, o maior nível desde que o índice de preços passou a ser calculado. A economia da zona do euro também apresentou um sólido crescimento anualizado de 5% no primeiro trimestre. Os investidores do velho continente também pesam a continuidade da ‘earning season’, com algumas empresas apresentando resultados trimestrais positivos.

O DAX (Alemanha) fechou em alta de 0,84%, o FTSE 100 (Reino Unido) em alta de 0,47%, o CAC 40 (França) em alta de 0,39% e o índice Stoxx600 em alta de 0,74%.

Fonte: TradingView

O setor de energia é o principal vilão da alta nos preços na zona do euro

Ao contrário da economia norte-americana, a economia da zona do euro possui uma exposição muito maior aos atuais eventos geopolíticos, como a guerra da Ucrânia, que ameaça o crescimento econômico e cria ainda mais pressões inflacionárias na zona do euro, à medida em que novas sanções são impostas ao país invasor (Rússia).

Uma vez que a Europa é extremamente dependente da Rússia, em termos de fornecimento de energia e outra commodities, as ameaças de sancionamento do gás e petróleo russo, provocaram uma súbita elevação dos custos da energia, que por sua vez foi (e continua sendo), a principal vilã da inflação da zona do euro. Os preços do setor de energia aumentaram 38% na última leitura do CPI.
Um possível motivo pelo qual o Banco Central Europeu (BCE) não age em linha com o Fed

Apesar do crescimento do primeiro trimestre ter sido relativamente robusto, com a economia da zona do euro registrando um crescimento anual de cerca de 5% (em linha com as expectativas). Quando olhamos para a comparação trimestral, nota-se que houve uma leve frustração das expectativas, com a economia crescendo 0,2%, enquanto era esperado um crescimento de 0,3%.

Temendo que uma política monetária contracionista resulte em uma violenta recessão, apesar da inflação ter alcançado a alta histórica de 7,5%, de acordo com a estimativa prévia de abril, o BCE ainda não se mostra tão comprometido quanto o Federal Reserve em perseguir sua meta de inflação. Por outro lado, o não combater a inflação majoritariamente “importada”, também pode resultar em uma contração do produto, à medida em que a espiral inflacionária passa a afetar o consumo e a atividade produtiva.

Além disso, a zona do euro tem um histórico de relativas altas taxas de desemprego, que atualmente se encontra no patamar de 6,8% (o menor nível desde que passou a ser calculada), enquanto que nos EUA a taxa de desemprego se encontra em 3,6%. Há diferenças estruturais entre ambas as economias, esse é o motivo principal pelo qual a abordagem ante o fenômeno inflacionário é diferente.

E o euro?

Depois de ter chegado na mínima de 5 anos no último dia 27, o par EUR/USD (Euro/Dólar) se recupera, subindo cerca de 0,53% (às 14:05 do dia 29). Com os dados de inflação nos EUA e na Europa, o euro ganha força no gráfico diário, à medida em que investidores criam expectativas de que um combate mais efetivo contra a inflação deve entrar em pauta, mas não na mesma magnitude da proposta pelo Fed.

É esperado que o BCE conclua o seu programa de compra de ativos (APP) em algum momento do terceiro trimestre e inicie um ciclo de alta de juros, assim como já foi dito por diversos membros do banco, inclusive pela própria presidente da instituição, Christine Lagarde.

Fonte: TradingView

E o Bitcoin?

Por hora, dada a maior relevância do mercado financeiro dos EUA e alta correlação entre o mercado ‘crypto’ e as bolsas americanas, as atenções do mercado devem estar quase que totalmente voltadas para as ações do Federal Reserve, que possui um roteiro de aperto monetário bem definido, com aumentos de juros e a redução do seu balanço patrimonial.

Com a remoção de liquidez da economia americana, os ativos de risco devem sofrer desvalorização, uma vez os investidores passam a enxergar maiores oportunidades em ativos ligados ao dólar, dado o baixo risco.

Kleiton Luna • Analista Yellow Crypto