O Brasil está entre os 20 países onde as pessoas registraram os maiores lucros com criptomoedas, conforme aponta um relatório da Chainalysis. Em uma lista de 50 países ao redor do mundo, os brasileiros ocupam a 15ª colocação.

Com isso, o Brasil também é o líder em ganhos com operações de criptomoedas na América Latina e o segundo nas Américas. Os brasileiros lucraram cerca de US$ 2,56 bilhões em 2021, de acordo com o ranking da Chainalysis.

Aumento de 500%

No geral, os dados do relatório apontam para um crescimento expressivo de 500% nos ganhos totais na comparação ano a ano. Em 2021, o acumulado de ganhos chegou a US$ 162,7 bilhões em 2021, enquanto 2020 registrou apenas US$ 32,5 bilhões em 2020.

Os Estados Unidos lideram a lista de ganhos com US$ 47 bilhões, uma ampla margem comparado com os US$ 8,1 bilhões do Reuni Unido. Em seguida estão a Alemanha (US$ 5,8 bilhões), Japão (US$ 5,5 bilhões), e surpreendentemente, a China em quinto lugar.

Mesmo após proibir as negociações com criptomoedas em 2021, os chineses ainda registraram ganhos de US$ 5 bilhões. Ou seja, os chineses continuam interessados nesse mercado apesar das restrições de negociação.

Países em destaque

A boa colocação do Brasil na lista segue a linha da pesquisa da Gemini que colocou nosso país como um dos líderes globais na adoção de criptomoedas. No entanto, a 15ª posição revela que o Brasil ainda está abaixo de seu verdadeiro potencial, visto que o PIB brasileiro é o 12º maior do mundo.

Em contrapartida, muitos países cujo desempenho foi abaixo do brasileiro ficaram bem colocados em termos relativos, pois suas classificações superaram a própria posição global do PIB destas nações. Alguns exemplos foram:

• Turquia: 11º maior PIB com US $ 2,7 trilhões. Ocupa a 6ª posição na lista da Chainalysis, com ganhos de US$ 4,6 bilhões em operações com criptomoedas;
• Vietnã: 25º maior PIB com US$ 1,1 trilhão. Ocupa a 16ª posição, com ganhos de US$ 2,7 bilhões em criptomoedas;
• República Checa: 47º maior PIB com US$ 460 bilhões. Ocupa a 19ª posição na lista, registrando ganhos de US$ 1,9 bilhão com criptomoedas;
• Venezuela: 78º maior PIB com US$ 144 bilhões. Ocupa a 33ª posição, com ganhos de US$ 1,1 bilhão em operações com criptomoedas.

Por fim, o exemplo mais notável é o da Ucrânia, cujo PIB de US$ 576 bilhões é apenas o 40º maior do mundo. Além disso, o PIB ucraniano pode enfrentar uma queda de até 40% em virtude do conflito com a Rússia.

Mesmo com esses desafios, o país ocupou a 13ª posição na lista da Chainalysis. Seus ganhos de US $ 2,8 bilhões em operações com criptomoedas colocam a Ucrânia à frente do próprio Brasil. E todo esse ganho foi registrado bem antes da invasão russa, que impulsionou mais a adoção do BTC no país.

Fonte: Criptofácil