A maior exchange de criptomoedas dos EUA, Coinbase, foi revelada como a empresa misteriosa que pegou o primeiro empréstimo lastreado em Bitcoin (BTC) de Wall Street do Goldman Sachs.

O Goldman Sachs detinha US$ 2,5 trilhões em ativos sob gestão em 2021.

A Bloomberg informou na terça-feira que o empréstimo lastreado em Bitcoin emitido pelo Goldman Sachs foi contratado pela Coinbase como uma forma de aprofundar os laços entre o mundo das criptomoedas e das finanças tradicionais (TradFi), com o chefe Institucional da Coinbase Brett Tejpaul afirmando que:

“O trabalho da Coinbase com o Goldman é um primeiro passo no reconhecimento da criptomoeda como garantia que aprofunda a ponte entre as economias fiduciárias e cripto.”

O valor em dólar do empréstimo não foi divulgado, mas foi garantido por uma parte das participações totais da Coinbase de 4.487 BTC, no valor de cerca de US$ 170 milhões no momento da redação. O empréstimo apresenta gerenciamento de risco 24 horas, mas exige que a Coinbase complete sua garantia BTC se os preços caírem muito.

Embora empréstimos garantidos por Bitcoin e outros empréstimos garantidos por criptomoedas sejam comuns na indústria de criptomoedas, especialmente em protocolos de finanças descentralizadas (DeFi), eles estão raros sobre finanças tradicionais, onde a criptomoeda é vista como muito arriscada e volátil como garantia.

No entanto, a empresa de gestão de ativos Arca escreveu em um post de blog na segunda-feira que os potenciais mutuários estão procurando mais opções desse tipo. Ele disse: “[Este empréstimo] demonstra a disposição das instituições de utilizar novas ferramentas com técnicas antigas:”

“É muito mais provável que o Goldman esteja vendo muita demanda por esse tipo de transação e esteja apenas testando as águas antes de causar um impacto maior.”

As notícias do empréstimo lastreado em Bitcoin provocaram comentários no Twitter. Em relação ao empréstimo, o podcaster de Bitcoin Preston Pysh twittou na quarta-feira: “Não é de admirar que a SEC esteja contratando pessoas”.

Armstrong sobre redes sociais

Enquanto isso, o CEO da Coinbase, Brian Armstrong, apresentou sua visão para que a liberdade de expressão seja habilitada por meio de plataformas de redes sociais descentralizadas. Ele disse ao Milken Institute na segunda-feira que, sob o novo proprietário Elon Musk, o Twitter tem a oportunidade de “essencialmente adotar o uso de um protocolo descentralizado” no qual a plataforma poderia operar.

“Acho que vale a pena defender a liberdade em todas as formas e a criptomoeda, muito dela, é sobre liberdade econômica. A liberdade de expressão é outra face.”

Armstrong acredita que uma plataforma de rede social descentralizada permitiria que os criadores de conteúdo fizessem suas próprias políticas de moderação, enquanto o acesso a todo o conteúdo seria democratizado em vez de ordenado algoritmicamente. Isso impediria que certos fluxos de conteúdo fossem sufocados em uma plataforma e permitiria que os usuários vissem o que quisessem.

Se o Twitter não aproveitar a oportunidade, Armstrong aponta que já existem equipes trabalhando em plataformas de rede social descentralizadas, que ele chamou de DeSo, onde os usuários podem possuir sua própria identidade na plataforma.

O fundador do Twitter, Jack Dorsey, trabalha em uma plataforma de rede social descentralizada chamada Bluesky desde 2019, que opera independentemente do Twitter. A Bluesky visa impulsionar a adoção de tecnologia em que “os criadores tenham controle sobre os relacionamentos com seus públicos e os desenvolvedores tenham a liberdade de construir”.

Dado o aumento de interesse no futuro do Twitter, pensamos que seria um bom momento para esclarecer a relação entre Bluesky e Twitter. — bluesky (@bluesky) 25 de abril de 2022

Fonte: Cointelegraph