A confiança do consumidor nos Estados Unidos diminuiu ligeiramente em abril, revelou o Conference Board em seu último relatório na terça-feira. O Índice de Confiança do Consumidor caiu para 107,3 ​​em abril, ante 107,6 do mês anterior. Além disso, o Índice da Situação Atual caiu para 152,6 neste mês de 153,8 em março. Por outro lado, o Índice de Expectativas aumentou para 77,2, acima dos 76,7 do mês passado.

“As intenções de compra caíram em geral em relação aos níveis recentes, pois as taxas de juros começaram a subir. Enquanto isso, as preocupações com a inflação recuaram de uma alta histórica em março, mas permaneceram elevadas. Olhando para o futuro, a inflação e a guerra na Ucrânia continuarão a representar riscos negativos para confiança e pode conter ainda mais os gastos do consumidor este ano”, afirmou Lynn Franco, diretora sênior de indicadores econômicos.

Fonte: Breaking The News

Cenários econômicos levam a confiança do consumidor americano para novos índices de queda

Devido a sua grande importância para formulações de expectativas sobre os gastos futuros, o índice de confiança do consumidor é um dado extremamente relevante para medir os níveis de expectativas econômicas do país, sendo utilizado corriqueiramente para os meios descritos, indicando positividade ou pessimismo para a economia.

Dito isso, foi observado que a confiança do consumidor americano começou e se dissolver, principalmente em decorrência do baixo incentivo que a austeridade monetária pode provocar. Nessas perspectivas, a inflação de caráter global, bem como a situação ucraniana, corroboram para tal sentimento, deixando as perspectivas emocionais em linhas mais pessimistas.

Criptomercado pode sentir impactos com tal situação

Como explanado acima, o processo ‘hawkish’ do governo americano pode desincentivar a aplicação no mercado de risco, visto que expectativas de crédito se tornam mais nebulosas, ausentando o incentivo de aplicações no curto prazo. Assim, a estabilização de preços almejada pelo Federal Reserve pode ocorrer aliada com os fatores expostos, sendo eles a consequência de sua aplicabilidade.

Atrelado a isso, o atual desenvolvimento do mercado tradicional de risco pode variar conforme o crescimento austero da economia, fazendo com que a migração para os ativos de baixo risco seja mais evidenciada pelo medo presente no emocional investidor. Portanto, não será surpresa caso o mercado de criptoativos, como o Bitcoin, presencie impactos grotescos e graduais com a aplicação de tal política monetária, exigindo a atenção máxima do gestor de ativos para tal momento.

Conforme as linhas anteriores, a atual situação de incerteza nos mercados favorece a aplicação gradual na principal criptomoeda, o Bitcoin. Entretanto, a prudência gestora deve estar plenamente presente.

Gabriel Oliveira • Analista Yellow Crypto