Ainda acompanhando as investigações do Departamento de Justiça dos EUA (DOJ), iniciada em 2018, a Reuters trouxe novas informações sobre o caso nesta segunda-feira (12).

Segundo fontes do jornal, alguns promotores acreditam que o DOJ já possui evidências suficientes para processar os executivos da corretora, incluindo seu fundador e CEO, Changpeng Zhao.

No entanto, outros apontam que as investigações podem levar ainda mais tempo conforme tais evidências precisam ser revisadas novamente.

Qual o foco da investigação contra a Binance?

As acusações estariam ligadas a transmissão não-licenciada de dinheiro, conspiração para lavagem de dinheiro e violações de sanções criminais, apontaram as fontes da Reuters.

Ainda que estas não tenham revelado mais detalhes, vale notar que a Binance realizou uma oferta inicial de moedas (ICO) em seu lançamento, ofertando Binance Coin (BNB) a investidores. Além disso, a corretora funcionou sem KYC até 2021, podendo este ser o principal foco da investigação americana.

Como relatado pela própria Reuters há alguns meses, a corretora de Zhao também “descumpriu sanções” ao atender cidadãos do Irã mesmo após requisitar a verificação de identidade de seus clientes.

Futuro da Binance pode estar nas mãos dos EUA

Considerada a maior corretora de criptomoedas do mundo por volume, a Binance pode perder este posto caso os EUA decidam dar sequência ao processo.

Afinal, fontes da Reuters apontam que até mesmo Changpeng Zhao seria processado.

“Alguns dos pelo menos seis promotores federais envolvidos no caso acreditam que as evidências já reunidas justificam agir agressivamente contra a corretora e apresentar acusações criminais contra executivos individuais, incluindo o fundador Changpeng Zhao, disseram duas das fontes”, escreveu a Reuters.

Tais casos não são novos para o Departamento de Justiça. No passado, por exemplo, as autoridades prenderam Arthur Hayes, fundador da BitMex, e outros executivos da mesma. Tal corretora foi referência na negociação de futuros de Bitcoin durante boa parte da história das criptomoedas, mas acabou perdendo seu posto.

Portanto, algo semelhante pode acontecer com a Binance em breve, o que pode causar ainda mais preocupação para a indústria na totalidade.

O que diz a Binance sobre o assunto?

Contactada pela Reuters, um porta-voz da Binance preferiu não comentar sobre o caso.

“Não temos nenhuma visão sobre o funcionamento interno do Departamento de Justiça dos EUA, nem seria apropriado comentarmos se tivéssemos.”

Já um porta-voz da Binance.US, corretora que atua dentro dos EUA, afirmou que as questões do jornal estavam “alimentadas com falsas insinuações”, reiterando que as duas entidades trabalham separadamente.

Pelo Twitter, Binance disse que a Reuters “errou novamente”, classificando a matéria como um ataque contra seus funcionários.

“A Reuters errou novamente. Agora eles estão atacando nossa incrível equipe de aplicação da lei. Uma equipe da qual estamos incrivelmente orgulhosos – eles tornaram as criptomoedas mais seguras para todos nós. Aqui está a declaração completa que enviamos ao repórter e uma postagem sobre nossa notável equipe de aplicação da lei.”

Ao Livecoins, a Binance enviou a seguinte nota:

Como foi amplamente divulgado, os reguladores estão fazendo uma revisão abrangente de todas as empresas de cripto, no que diz respeito a muitas questões similares. Essa indústria nascente cresceu rapidamente e a Binance vem demonstrando seu compromisso com segurança e compliance, realizando grandes investimentos em sua equipe, assim como em ferramentas e tecnologias usadas para detectar e impedir atividades ilícitas.

Mais informações

https://www.binance.com/en/blog/leadership/inside-binances-fight-against-crypto-crime-5422427314690193337

Por fim, vale lembrar que a Binance possui uma equipe notável. Como BJ Kang, ex-agente do FBI que prendeu Bernie Madoff, bem como diversos ex-agentes da Receita Federal dos EUA.

Ou seja, a corretora também possui suas defesas e talvez esse seja o motivo da lentidão das investigações, que já duram mais de quatro anos.

Fonte: Livecoins