Depois da reviravolta na segunda-feira (25), em que o S&P 500, abriu em baixa e durante a sessão virou para o campo positivo, fechando no verde, em virtude da euforia puxada principalmente pela compra do Twitter, pelo bilionário, Elon Musk. Os futuros do S&P 500, amanheceram em queda na terça-feira (26), enquanto investidores voltam a se mostrarem preocupados com os fatores de risco na conjuntura macroeconômica e geopolítica mundial.

Às 09:54, os futuros do S&P 500 caiam cerca de 0,50%, com o índice na casa dos 4276 pontos.

Fonte: TradingView

DXY expõe a aversão ao risco no mercado

Enquanto os futuros do mercado acionário norte-americano operam em queda, o DXY, o popular, “índice do dólar”, que mede a força relativa do dólar americano frente a uma cesta de moedas, opera em leve alta na sessão de terça-feira. Às 10:25, o índice estava na casa dos 101 pontos, subindo cerca de 0,20% no gráfico diário.

A tendência altista no DXY, expõe o desejo dos investidores pela busca por segurança, uma vez que a moeda norte-americana é a moeda de reserva internacional. Diversos fatores macroeconômicos e geopolíticos corroboram essa visão, tais como: os ‘lockdowns’ em importantes cidades chinesas, a guerra entre Rússia e Ucrânia, e o iminente aperto monetário a ser realizado pelo Federal Reserve (Banco Central dos Estados Unidos), em sua importante missão de combater o maior nível de inflação no país desde os anos 80.

O próximo movimento do BC dos EUA, na reunião de maio (que deve acontecer nos primeiros dias do mês), provavelmente será um aumento de 50 pontos base em sua taxa de juros básica, junto a um maior detalhamento ou até mesmo o anúncio do início do programa de redução do balanço do banco, o que por sua vez retira liquidez da economia norte-americana, e tende a induzir os investidores a direcionar seu portfólio para ativos ligados ao dólar, como os títulos do tesouro. Esse movimento, também tende a fortalecer a moeda dos Estados Unidos, e consequentemente isso é registrado em altas no DXY.

Fonte: TradingView

Implicações sobre o criptomercado

Em virtude da correlação entre o mercado acionário dos Estados Unidos e o mercado de criptoativos, dada a presença do capital institucional no último. Uma baixa no S&P 500 tende a “puxar” o criptomercado para a mesma direção, dado que a percepção atual dos investidores é a de que os criptoativos são ativos de risco comuns.

Às 10:27, o Bitcoin, a Cardano, o Ethereum e a Dogecoin seguiam a mesma tendência de queda dos futuros do S&P. O grande destaque é a Dogecoin, que corrigia mais de 2%, depois de finalizar o último dia 25, com uma alta de mais de 20%, seguindo a euforia da compra do Twitter pelo bilionário, Elon Musk.

Fonte: TradingView

Diante do que foi exposto, os fundamentos do Bitcoin ainda apontam para a neutralidade, apesar do cenário macroeconômico. O criptoativo têm respeitado o suporte da região dos 38 mil dólares, se mantendo acima do mesmo, com uma boa gestão de risco, e atenção a tal região, pode ser oportuno uma leve exposição ao ativo.

Kleiton Luna • Analista Yellow Crypto