A Libra Esterlina, moeda oficial do Reino Unido, caiu no início da semana para US$ 1,03, seu menor valor em 37 anos, vistos pela última vez em março de 1985, devido a uma série de motivos, entre eles, a guerra entre Rússia e Ucrânia, a crise energética que assola toda a Europa, o fortalecimento do dólar com as ações do Federal Reserve em seu combate à inflação, e principalmente devido ao maior corte de impostos em 50 anos anunciado pela primeira-ministra do Reino Unido, Liz Truss, visando resgatar a economia britânica da recessão na última sexta-feira.

Apesar da queda, a Libra apresenta uma leve recuperação nos últimos dois dias, e voltou a ser cotada em US$ 1,08, em meio a especulações de que um grande aumento na taxa básica de juros será efetuado para conter a inflação de 9,9% ao ano.

Alta de 200bps pelo BoE?

Em uma matéria publicada pela Bloomberg na segunda-feira, foi divulgado que os comerciantes começaram a precificar um aumento de 200bps na taxa de juros pelo Banco da Inglaterra (BoE), para lidar com a turbulência do mercado com os planos econômicos do governo, o que seria um aumento quatro vezes maior do que o último realizado pela autoridade monetária.

Até onde a autoridade monetária levará adiante o aumento de juros?

De acordo com o chanceler Andrew Bailey, o comitê de política monetária do BoE “não hesitará em alterar as taxas de juros o quanto for necessário” para controlar a inflação, além dele, o economista-chefe do banco afirmou que um “aumento significativo está por vir” como resposta ao mini-orçamento do goverto (plano de corte de impostos), que exige “uma resposta significativa da política monetária”.

Com isso, mesmo sem citar números para a aumento significante na taxa de juros, as apostas e expectativas seguem altas, com os investidores visando aumentos superiores ao aumento de 50 bps realizado na última reunião, o que pode acarretar em um pequeno rally de recuperação da libra frente ao dólar.

GBP/USD (Libra/Dólar)