A “criptocrash” de 2022 foi uma das maiores e mais fortes quedas da história do setor de ativos digitais , pois vários ativos perderam até 50% de seu valor em questão de dias. O caso mais notável foi o Ethereum , que caiu para US$ 880 em questão de dias, atingindo valores abaixo do ATH de 2017.

Uma queda tão forte na capitalização do mercado, além de uma série de liquidações e chamadas de margem recebidas por empresas detentoras de ativos digitais ou com posições compradas abertas, podem ter causado medo entre os investidores institucionais, o que levou a saídas de quase US$ 500 milhões do setor.

Fonte: CoinShares

De acordo com a Coinshares, as saídas apareceram em 17 de junho, mas só agora foram refletidas devido à defasagem de relatórios que existe entre investidores institucionais e empresas. O principal motivo, como já mencionado, é o crash do mercado de Bitcoin e criptomoedas. Como os dados sugerem, as saídas foram focadas principalmente no Bitcoin.

O maior provedor de saída é o ETF Purpose Bitcoin, que forneceu saídas de US$ 490 milhões em WTD, com fluxo mensal de US$ 343 milhões negativos. O único ativo que viu entradas é o ativo Short Bitcoin que expõe os investidores a “ordens curtas de Bitcoin”, permitindo lucrar com um ativo descendente.

Quanto à fonte territorial de saídas, as exchanges canadenses são as maiores fornecedoras de volume negativo, pois vimos uma grande atividade de retirada nelas em 17 de junho.

Felizmente, não devemos ver saídas tão grandes no próximo relatório, pois o mercado já estava em processo de recuperação, e devemos esperar dinâmicas neutras ou positivas nos endereços institucionais.

No momento desta publicação, o Bitcoin está mudando de mãos em US$ 21.178 e o Ethereum está sendo negociado em US$ 1.212.

Fonte: U.Today