Um aumento de 0,50 ponto percentual na taxa de juros estará “na mesa” quando o Federal Reserve se reunir em 3 e 4 de maio para aprovar a próxima de o que se espera que seja uma série de altas de juros neste ano, disse o presidente do banco central dos EUA, Jerome Powell, em comentários que apontavam para um conjunto agressivo de ações do Fed.

O presidente do Fed também disse sentir que os investidores que atualmente antecipam uma série de aumentos de meio ponto estão “reagindo adequadamente, em geral” à luta emergente do Fed contra o aumento dos preços.

Fonte: Infomoney

50 pontos base é quase certo

As falas do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, dadas na quinta-feira (21), confirmaram que há a possibilidade de vários aumentos de 50 pontos base serem realizados ao decorrer do atual ciclo de aperto monetário do FED, Powell adicionou que, o mercado está reagindo de maneira adequada a tal cenário.

Powell, reiterou que o FED está comprometido em utilizar todas as suas ferramentas pra controlar a inflação, reconhecendo que as expectativas dos membros do FED com relação ao pico da inflação foram frustradas, e que o Conselho de Política Monetária poderá subir as taxas até um patamar neutro e até mesmo além, caso seja necessário. Em reação às falas, o mercado agora espera cerca de 10 aumentos nas taxas, com os ‘FED Funds’ próximos à 3%.

Ao resgatar falas passadas de outros membros do FOMC, é possível constatar que há um amplo suporte a um movimento dessa magnitude na taxa básica já na próxima reunião do Conselho de Política Monetária, que deve ocorrer nos dias 3 e 4 de maio. Pode ser citado como exemplo, as falas da vice-presidente do FED, Lael Breinard, no início do mês de abril, onde a mesma também se posicionou a favor do movimento de 50 pontos base e declarou apoio ao início da redução do balanço patrimonial do FED.

O que fundamenta um movimento agressivo do FED

Os principais deveres do Federal Reserve, enquanto Banco Central dos EUA, é perseguir a estabilidade de preço e o pleno emprego, pela natureza conflitante entre as duas variáveis, são estabelecidas metas para ambas. A atual inflação está quase 3 vezes acima da meta estipulada pelo FED, enquanto os dados de emprego, mostram um mercado de trabalho apertado e uma economia muito próxima ao pleno emprego, o que implica que a autoridade monetária norte-americana deve voltar toda a sua atenção para a estabilidade dos preços, com políticas cada vez mais restritivas, elevando juros e reduzindo o seu balanço patrimonial.

Reação dos mercados

Na sessão do último dia 21, o S&P 500 fechou em queda de 1,48%, o Down Jones em queda de 1,05%, mas o grande destaque é o índice Nasdaq, conhecida como “bolsa da tecnologia”, as empresas listadas nesta, possuem uma alta sensibilidade às mudanças nas taxas de juros, dada a dependência de financiamento para realizar projetos, o índice fechou na quinta em queda de 2,51%. Já o Bitcoin, finalizou o dia 21, em queda de 2,12% acompanhando o movimento das bolsas.

Gráfico, Diário, Bitcoin / TetherUS. Fonte TradingView

Perspectivas

Um possível cenário que agora se desenha, é o Federal Reserve realizando o próximo aumento nas taxas na ordem dos 50 pontos base, em conjunto, iniciando a redução do balanço patrimonial, que deve ser posto em prática no mês seguinte (junho). Tal abrupta remoção de liquidez da economia norte-americana, deve impactar de forma o mercado acionário dos EUA e os criptoativos (dada a correlação entre ambos), uma vez que os investidores passam a enxergar maiores oportunidades em títulos da dívida norte-americana e em ativos ligados ao dólar, devido ao baixo risco.

Kleiton Luna • Analista Yellow Crypto