Após a criação do Ethereum, seus desenvolvedores começaram a traçar planos para a fusão da blockchain com prova de trabalho (Proof-of-Work) com o princípio de prova de participação (Proof-of-Stake).

O esperado “The Merge” aconteceu 7 anos depois, com 40 mil pessoas participando da transmissão do evento. Eles acompanharam a blockchain se aproximando de uma dificuldade finita total de 58.750.000.000T, um número fixo de hashes que a rede Proof-of-Work Ethereum teve que minerar antes de mudar para Proof-of-Stake.

Com o The Merge, o Ethereum colocou fim no processo de mineração, e, em vez disso, introduziu o “staking” (prova de participação) que exige que os detentores de ETH comprometam seus ativos na rede em troca de rendimentos passivos. Isso implica que o Ethereum agora usa 99,95 menos energia do que antes.

De acordo com o criador do Ethereum, o The Merge é o primeiro de muitos passos que a rede ainda precisa dar. Em conferência organizada pela Messari em NY, Vitalik Buterin disse que é muito cedo para dizer o resultado da fusão.

A transição realmente foi muito mais suave do que o esperado, disse Buterin. “Mas há outros indicadores que levarão anos ou até mais de dez anos para se mostrarem em detalhes.”

Ele observou, no entanto, que “é como se o céu, que estava nublado por quase uma década, finalmente estivesse clareando”.

The Surge

De acordo com Vitalik, o próximo foco principal dos desenvolvedores do Ethereum será resolver problemas de escalabilidade. A fragmentação (sharding) é o próximo passo que ainda não chegamos”, disse Buteri

Em sua essência, o sharding é uma forma de dimensionamento horizontal na qual nós adicionais são adicionados à rede para lidar com cargas de trabalho mais intensivas.

Este próximo passo, apelidado de The Surge, é planejado como uma série de eventos separados que eventualmente permitirão que o Ethereum processe milhares ou dezenas de milhares de transações por segundo, acima das З0 transações por segundo em seu estado atual.

De acordo com Buterin, a rede Ethereum de nível 1 precisará de fragmentação porque o nível 2 só pode processar um certo número de transações na blockchain Ethereum para cada kilobуte de dados.

O que é fragmentação?

Sharding, que é um conceito comum em ciência da computação, é o método de dividir um banco de dados horizontalmente para distribuir a carga. O objetivo é reduzir o congestionamento da rede e aumentar as transações por segundo.

Em um contexto Ethereum, “o sharding funcionará sinergicamente com os rollups da camada 2, dividindo o ônus de lidar com a grande quantidade de dados necessários para os rollups em toda a rede”. (Os rollups são uma tecnologia de “camada 2” que existe hoje.)

De acordo com o Ethereum.org, o Sharding pode ser lançado em algum momento de 2023. Ele dará ao Ethereum mais capacidade para armazenar e acessar dados, mas não será usado para executar código.

Por que Fragmentar?

A fragmentação é uma boa maneira de escalar se você deseja manter as coisas descentralizadas. Com o Sharding, os validadores não precisarão mais armazenar todos esses dados.

A fragmentação eventualmente permitirá que você execute o Ethereum em um laptop ou telefone pessoal. Aumentará a segurança, pois quanto mais descentralizada for a rede, menor será o ataque à superfície.

Levará a requisitos de hardware mais baixos, para executar clientes por conta própria.
O sharding fornece distribuição segura dos requisitos de armazenamento de dados, permitindo que os rollups sejam ainda mais baratos e tornando os nós mais fáceis de operar

Portanto, as atualizações de rede da camada 1 que aumentam a capacidade máxima de armazenamento também aumentarão a escalabilidade das soluções da camada 2.

A Proof of Stake (PoS) tem benefícios ambientais significativos em relação à Proof of Work (PoW), e Buterin acredita que todas as redes devem eventualmente migrar para a tecnologia Proof-of-Stake.

Fonte: Livecoins